Ter uma loja virtual não é a mesma coisa que manter uma loja física. A logística do comércio eletrônico tem várias especificidades - bem como como o atendimento, o marketing e a fidelização dos clientes.

Por isso, separamos algumas dicas e sugestões para quem pensa em disponibilizar o seu produto ou serviço para a compra na web. Confira!


O primeiro passo é o planejamento. Enriquecido com pesquisas de mercado, análise de concorrência e planos de expansão alinhados com metas bem definidas, ele pode ser um ótimo ponto de partida!

No entanto, antes de iniciar é importante conhecer alguns erros para o seu e-commerce:

  • Acreditar que um negócio virtual é mais barato porque não exige um plano de marketing ou a atuação de profissionais do mercado;
  • Investir em plataformas de tecnologia de baixa qualidade para economizar;
  • Não executar uma análise da concorrência ou fazer pesquisas sobre a viabilidade de vender determinada linha de produtos online.
  • Falhar no atendimento ao cliente: não responder as dúvidas sobre o produto ou demorar para dar feedback.

Dicas para manter-se - e crescer - no e-commerce

Agora que você viu o que não deve fazer, confira algumas dicas de marketing que vão ajudá-lo com o crescimento da sua loja virtual:

Defina um plano de marketing com investimentos voltados para as mídias digitais. Afinal, quem está comprando na web está na web - principalmente quando a marca ainda não é fortemente conhecida entre os consumidores.

 Otimize o site da sua loja para ser encontrado nos mecanismos de busca, como Google e Bing. Outras opções são apostar em campanhas de e-mail marketing personalizadas e segmentadas - que contribuem para uma taxa de conversão mais alta em vendas no e-commerce. Mas atenção: o que funciona melhor para cada negócio pode variar. Então, faça testes e escolha os canais que dão mais retorno para o seu e-commerce.

Conte com a ajuda de profissionais da área para que seus investimentos não sejam em vão. Hoje em dia, soluções em TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação) são mais acessíveis e o oferecidas por muitas empresas diferentes. Mesmo no início, pense em ferramentas que, acima de tudo, sejam completas. Verifique se elas possuem todas as funcionalidades que seu negócio demanda e considere a escalabilidade da sua empresa.

Baseie-se em modelos de e-commerce que atuam no mesmo mercado que o seu e que já possuem sistemas adequados para o giro do negócio. É importante que a plataforma escolhida por você esteja preparada para se integrar com ferramentas de análise de resultados na web, como o Google Analytics, por exemplo.

Por fim, conte com o apoio do Sebrae para continuar estudando as melhores técnicas de gestão de e-commerce. Conheça nossa página sobre o assunto e mantenha-se informado.

Que tal continuar explorando?